Inicio Notícias

Enquanto brinca na praia, garoto de onze anos encontra garotinha enterrada viva na areia


Publicado em 04 do 05 de 2019 por Italo Ivo

O caso aconteceu na praia de Marina Dunes, na Califórnia, EUA. Para o garoto Connor Fitz-Gerald, de 11 anos, era um dia como outro, sol, areia, mar e brincadeiras com seus amigos. Ele e seus amigos estavam brincando e se divertindo muito. 

Como a maioria das crianças, Connor adora cavar areia, todos com o mesmo objetivo: conseguir fazer um buraco bem fundo. Mas para a surpresa do jovem havia uma criança enterrada viva na areia. 

A criança identificada como Alyssa Bostic tinha apenas 5 anos. Segundo informações, Alyssa estaria brincando na areia, cavando um buraco para fazer uma caverna. Após algum tempo cavando, conseguiu criar um pequeno buraco e resolveu entrar dentro dele, mas infelizmente após entrar, a caverna acabou desabando.   

Devido ao desmoronamento da areia, Alyssa ficou presa, sem conseguir se mexer e respirar, o que acabou fazendo com que ela desmaiasse. Nessa altura, a criança já achava que não havia mais esperança de ser encontrada, uma vez que ela estava completamente coberta pela areia.

Foi quando o garoto que brincava na areia percebeu que havia uma pessoa enterrada e começou a cavar rapidamente. Era uma corrida contra o tempo, mas o jovem não tinha pensamentos de desistir. Rapidamente, ele conseguiu tirar a areia que tapava o rosto da criança que estava desacordada.

Logo em seguida, ele cavou mais um pouco até conseguir tirar o corpo da garotinha completamente do buraco. Ao perceber que a criança continuava desacordada, Connor começou a fazer manobras que havia aprendido assistindo televisão, manobras para tentar ressuscita-la.

O corajoso garotinho estava fazendo tudo que havia aprendido, para reanimar a criança, enquanto isso, alguns adultos começaram a chegar e acionaram uma ambulância.

Com a ajuda de Connor e das pessoas que estavam perto, Alyssa conseguiu sobreviver e já está recuperada. Em uma entrevista, a pequena Alyssa disse que se sentia bem.
“Eu me sinto bem”.

A rápida atitude, bravura e a persistência de Connor salvaram a vida de uma pessoa naquele dia. A mentalidade e a ação admirável do pequeno de apenas 11 anos foi crucial para que a vida de uma pessoa fosse salva.

O pai de Connor se orgulha de seu filho, que demonstrou ter um raciocínio rápido e bom senso. “Fico feliz por ele ter conseguido parar e pensar 'Ok, espere um minuto, há um problema, não há um adulto aqui, preciso fazer algo'" disse Tim em uma entrevista.